pulsando

Seguidores

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Poema: O SALVADOR DE CARANGUEJOS

    


Estou lambuzado.
Meu corpo está coberto de lama e molhado.
Este mangue é sagrado mas, eu,  um pobre
diabo,  preciso deste lugar.  
Ele tenta se esconder.
Esta criatura, me olhando com ternura,  quer
me comover.
Seus braços  fortes, não são tão fortes quanto  
a minha fome.
Sou um bicho maior e comer o menor, é direito meu !
Seus olhos estranhos,  sua vida no 
submundo, imundo, desperta  em mim 
 um sentimento de piedade...
Na panela, a água fervente trocará
  a sua  cor,  sem direito a gritar de dor.   
Os dentes do cliente, afiados como
 faca, cravarão em sua  carne, dando
 Adeus  aquele buraco !
Poucos sabem o que representa, para a 
 vida, este amigo meu.
É  melhor  nem saber.
A ignorância  diminui o sofrimento...
Ainda há tempo !
Estão vivos, os condenados caranguejos.
Todos voltaram aos seus buracos.
Não mudarão de cor.
Foram salvos por amor !

6 comentários:

  1. Olá, amigo Sinval, que foto impressionante! Belo e comovente poema, amigo. Tem de ter bastante sensibilidade para escrever um poema dessa grandeza.
    Saio também sensibilizada, não gosto nem de saber o sofrimento dos animais, sejam eles quais foram, mesmo o não muito simpático caranguejo!
    Beijo, Um resto de semana feliz.
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Oi, Sinval, que estranho mundo o nosso que busca tantas formas de sobrevivência quantas são são as manifestações da vida...encontrar o elo que nos une das profundezas da lama aos laivos de consciência moral...
    belo e profundo poema!
    um abraço

    ResponderExcluir
  3. Querida Amiga Escritora/Taís Luso !
    Um poema baseado em história real, acontecida comigo...
    Fui presenteado com um cesto de caranguejos. Soltei-os,
    todos, no mangue...
    Muito grato pelo costumeiro e generoso comentário.
    Um fraterno abraço e um feliz final de semana !
    Sinval.

    ResponderExcluir
  4. Oi, Guaraciaba Perides,
    Poetisa e Cientista Social !
    Pois é, Amiga, a crueldade parece
    nos seduzir... e eu resisto.
    Muito agradecido pela atenção e
    generoso registro. Um fraterno
    abraço e uma feliz semana !
    Sinval.

    ResponderExcluir
  5. Uma fotografia impressionante. O seu poema lembra-nos a forma cruel como cuidamos dos nossos apetites... Gostei muito, meu Amigo Sinval.
    Um beijo daqui de Portugal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Mestra/Poetisa, Graça Pires !
      Este poema nasceu de uma história real,
      vivida por mim. Fico feliz que hajas
      gostado. Muito grato, Amiga !
      Um carinhoso abraço, aqui do Brasil.
      Sinval.

      Excluir

Querido leitor...seu comentário é muito importante para mim. Obrigado.